Google analytics 4: O que mudou e como migrar?

google analytics 4

O que é GA4 Google Analytics 4?


Já ouviu falar que o que é bom dura pouco? Pois bem, após quase 15 anos com o Google Analytics Universal rodando, o Google decidiu se adaptar às novas realidades do mercado e mudou..

Como será que essa mudança vai impactar os seus resultados? Será que a mudança foi boa?
Vamos primeiro entender o que é o google analytics 4.


Resposta do google sobre as novas possibilidades:

  • Coleta dados de sites e apps para mostrar mais informações sobre a jornada do cliente
  • Usa dados com base em eventos em vez de sessões
  • Inclui controles de privacidade, como medição sem cookies, modelagem comportamental e estimativa de conversão
  • Oferece recursos preditivos que fornecem orientação sem modelos complexos
  • Integrações diretas com plataformas de mídia ajudam a promover ações no seu site ou app



O GA4 é uma nova propriedade criada para análise podendo fazer uma coleta de dados de sites e apps para mostrar mais informações sobre a jornada do cliente. Usa dados com base em eventos em vez de sessões.

Antes os recursos analíticos eram com base em sessões, lembrando que a partir de 1º de julho de 2023, as propriedades padrão do Universal Analytics não vão mais processar dados. O prazo pode ser estendido até outubro de 2023 na versão paga do google analytics universal.

A maior diferença entre o google analytics 4 e o google analytics universal é a privacidade do usuário, que  passa a ter seus dados coletados de maneira diferente. Desde que o Google foi penalizado na Europa em 2019  por violar a GDPR e CCPA seus desenvolvedores vêm trabalhando uma maneira de sua ferramenta rastrear dados e medi-los sem ferir as políticas de navegação na web.

O resultado é uma plataforma baseada em análise preditiva e orientada por inteligência artificial e não mais pelos cookies.


O que muda com o GA4?

O maravilhoso mundo sem cookies

Era uma vez os  first- second e third-party cookies. Os third-party ou seja o uso de componentes de terceiros permitem que os anunciantes ou as empresas de análise  acompanhem o histórico de navegação de um indivíduo em toda a Web (em resumo). Esses vão deixar de existir.  Os cookies primários são aqueles que não dependem de outros sites e que ajudam a melhorar a experiência no site. Até aqui tudo bem?

Com a atualização do iOS 14 o Facebook precisou implementar algumas mudanças que confirmam que o futuro será sem cookies. 

Embora o Universal Analytics já ofereça proteção aos dados dos usuários, o GA4 aprimora a segurança com mais controles de privacidade.

O Google Analytics 4 não depende de cookies para coletar dados, já que utiliza a modelagem de dados por meio do aprendizado de máquina. O GA4 também não armazena mais endereços de IP, o que garante a privacidade dos usuários.

Além disso, a ferramenta oferece recursos para as empresas cumprirem as regras da LGPD. Elas podem facilmente obter o consentimento dos usuários, logo que eles acessam o site, e retirar informações pessoais do seu banco de dados, quando eles solicitam isso.

Como funciona a análise do google analytics 4?

O futuro se chama: FLOC! Significa Aprendizado Federado de Coortes  Com essa abordagem, o Google simula os dados do usuário em vez de usar cookies de terceiros. À medida que um usuário viaja pela Internet, seu navegador (mais especificamente o Chrome) usará o algoritmo FLoC para atribuí-lo a uma “coorte de interesse” junto com muitos outros usuários que têm um histórico semelhante. 

Lembre-se que o poder está na mão do google, e convenhamos o google não é muito preciso quando se trata de público de interesse. Agora não será mais o interesse do anunciante, mas o interesse que o Google acha que aquele grupo de anunciantes possui…

Uma pessoa, vários dispositivos

O Google Analytics 4 oferece uma visão multiplataforma sobre todo o ciclo de vida do cliente/lead, independentemente dos canais da sua empresa que ele utiliza. A ferramenta integra os dados de sites e aplicativos. Ter esse tipo de integração no google analytics universal não era possível, era necessário mudar de propriedade ou criar inúmeros filtros avançados. 

É por isso que o GA4 se apresenta como uma ferramenta multiplataforma, centrada nos usuários. Assim, você pode fazer análises mais aprofundadas sobre o comportamento do usuário e o desempenho dos seus canais de uma forma um pouco menos complexa.

Aprendizado de máquina

A tecnologia de aprendizado de máquina, baseada em inteligência artificial, é usada para a modelagem de dados, seguindo um pouco o que falamos sobre o Floc. A intenção é realizar análises mantendo a segurança dos dados e privacidade dos usuários.

O machine learning também oferece insights preditivos, já que a ferramenta pode aprender sobre os comportamentos dos usuários à medida que eles interagem com o site ou aplicativo. Assim, você pode observar, por exemplo, o aumento da demanda por um produto antes que isso efetivamente aconteça, de maneira que possa se preparar para atender seus clientes.

 Por se tratar de algo novo, ainda não conseguimos entender se isso na prática será realmente assim, mas a promessa é linda!

Além disso, você pode criar públicos preditivos (prováveis compradores em uma semana, por exemplo) e exportá-los para as suas campanhas no Google Ads. Isso torna o GA4 ainda mais poderoso que o Universal Analytics. 

Modelo baseado em eventos

O modelo de dados baseado em eventos do GA4 substitui o modelo baseado em hits do Universal Analytics. Esses eventos são ações que o usuário executa no site, como cliques, rolagens, pesquisa no site e download de arquivos.

Alguns eventos por padrão são coletados automaticamente, mas outros mais específicos vão precisar de uma configuração na propriedade do Google Analytics.

Dica: Use e abuse do google tag manager 😀 

Problemas que você não tinha com o google analytics universal e agora vai ter no ga4:

O mundo não é feito só de flores, temos alguns problemas que identificamos e que antes não tínhamos:

Dados demográficos

Para ter uma análise dos dados demográficos será necessário ativar essa função, caso ela não seja ativada não será possível colher esses dados.

Atraso com as informações

Antes a sessão de aquisição era atualizada no mesmo dia, inclusive as conversões diárias. No ga4 não temos essa opção, para ver os dados diários precisaremos ver a seção tempo real. Além disso para usuários que acessarem pela primeira vez e usuários que não retornarem em um período de 60 dias, eventos de conversão podem ser enviados com um atrase de pelo menos 8 horas.

Indicadores do Google

Os dados de um relatório ou análise detalhada podem ficar retidos se os Indicadores do Google estiverem ativados e houver uma baixa contagem de usuários no período especificado.
mais informações: https://support.google.com/analytics/answer/9383630?hl=pt-BR

Métricas exclusivas do Google Analytics 4

usuários: No Universal Analytics, há duas métricas do usuário: total de usuários e novos usuários. No Google Analytics 4, existem três métricas do usuário: total de usuários, usuários ativos (usuários com sessões engajadas) e novos usuários.

Sessões engajadas: a ideia de uma sessão engajada decorre do desejo de remover rejeições da contagem de sessões; as rejeições por muito tempo ficaram no google analytics sem um certo sentido pois muitas variáveis poderiam interferir na taxa de rejeição. Uma sessão engajada só é contada como tal após o usuário ficar no local por pelo menos 10 segundos. Se eles saírem antes disso, contará como uma rejeição, mas não como uma sessão engajada.

Sessões engajadas por usuário: número de sessões engajadas por usuário, portanto, se virmos o mesmo ID de usuário retornando várias vezes, pode ser de 3, 4 ou 5 sessões por usuário e, em seguida, calculamos a média da sua contagem total de usuários, fornecendo uma média acima de 1, com o número real dependente de quantos usuários novos ou recorrentes (ou cookies excluídos) seu conteúdo tem.

Tempo Médio de Engajamento : Esta é uma grande evolução da visão APP + WEB. O tempo médio de engajamento mede o tempo que o APP ou o Site ficou em primeiro plano no navegador ou celular do usuário.

Taxa de engajamento: Porcentagem de sessões que interagiram, lembrando que por padrão a interação aqui são sessões que ficaram mais do que 10 segundos.

Visualizações de página: Um pouco parecido entre google analytics universal e google analytics 4, porém a métrica visualizações na interface de relatórios é a combinação de visualizações de páginas e de telas. As exibições repetidas de uma única tela ou página são consideradas no GA4

Conversões registradas: O artigo do google diz que se um usuário converter duas vezes na mesma sessão o google universal irá contabilizar apenas como uma conversão, já no GA4 se um usuário enviar o formulário duas vezes durante a mesma sessão, duas conversões poderão ser contadas. O que de forma prática significa que não houve nenhuma alteração, visto que para quem utiliza o google universal no mesmo dia, sabe que acaba contabilizando mais de uma conversão …

Mudanças no tagueamento de URLs

Particularmente acredito que quanto mais recursos uma ferramenta possui, mais prática ela deixa de ser, uma das mudanças foi o aumento de parâmetros para utms (Urchin Traffic Monitor) no google analytics 4, lembrando que não é necessário utilizar todos os parâmetros para o profissional de traffic manager será muito importante ficar de olho nas novas UTMs
Parâmetros que provavelmente você já conhece:

  • source = Origem da visita
  • Medium = Mídia da visita
  • Campaign = Campanha da visita
  • Term = palavra-chave
  • Content = Conteúdo do anúncio

Agora, foram incluídos mais alguns parâmetros que você vai precisar conhecer:

  • Source_Platform = Plataforma de origem da visita (específica para apps)
  • Creative_Format = Formato do criativo que originou a visita
  • Marketin_Tactic = Tática de marketing que originou a visita

Na dúvida você poderá continuar com o arroz e feijão e manter apenas os parâmetros que sua empresa já está acostumada, mas é sempre bom saber que existem outras opções.

Mudança no modelo de atribuição

Modelo de atribuição é a forma em que o google diz de onde sua conversão veio, exemplo:

Na imagem acima nós podemos ver que pelo menos 2 leads clicaram em quma campanha paga e depois converteram no tráfego direto.No google analytics 4 ver essa janela de conversão só era possível quando usássemos o relatório em Conversões > Funis Multicanal > Ferramenta de comparação de modelo, e lá, somente lá, podíamos verificar como as nossas conversões seriam atribuídas caso mudássemos a interpretação e a lógica da atribuição.

 Na imagem estão vendo o caminho de conversão que geralmente o lead faz antes de converter na página, o modelo de atribuição por exemplo com base na posição atribui pesos diferentes de acordo com a interação do lead, mas isso é uma conversa para outro post.

Agora, podemos definir um modelo como padrão, ou seja, todo o GA4 pode ser baseado no modelo escolhido — e não somente visualizar e compará-los, mas sim, alterar o padrão como um todo.

Veja como:

Clique na engrenagem no canto inferior esquerdo> Configuração de atribuição e Voilà achará como mudar a tribuição de dados 

E o que acontece com a minha conta do GA Universal?

A conta do ga universal irá PARAR de coletar dados no dia 1 de julho de 2023, ou seja, caso você ainda não tenha começado a coletar os dados para o ga4, você está atrasado!

Os dados do GA universal continuarão ali, mas não sabemos por quanto tempo, o que sabemos é que não será possível migrar os dados retroativos de uma propriedade para outra. Como as duas coletam os dados de forma totalmente diferente, não será possível migrar dados retroativos.


Como fazer a migração para o google analytics 4?

1 – Criar uma conta no GA com o nome do site
Na engrenagem de administrador do google analytics clique em criar nova conta, caso seu site não possua nenhuma tag do google analytics instalada.

Coloque o nome do seu site.

2 – Ativar as configurações de compartilhamento da conta 


3 – Escolha o nome da propriedade, coloque o fuso horário correto e a moeda que você trabalha Caso queira pode criar uma uma propriedade também ou apenas do Universal Analytics.

Feito isso basta colocar as informações da empresa e aceitar os termos.

4- Escolha qual fluxo de dados do google analytics 4 quer utilizar

5- Após selecionar o tipo de fluxo basta colocar o endereço do site. Os eventos serão selecionados por padrão:

Ao criar o fluxo, ele indicará qual o ID do seu fluxo de dados e com isso você poderá prosseguir a instalação via gtag (código dentro do site) ou via GTM.

Para fazer a instalação via tag manager, pegue o ID de acompanhamento e copie o código, iremos colocar dentro do GTM

No Gtm crie uma tag padrão de Google analytics 4 e cole o ID da métrica:

6- Ative a coleta de dados para que sua vista consiga ativar os dados demográficos quando houver público suficiente para isso

7- Vincule suas contas:

Em nossa playlist do youtube temos o passo a passo em vídeo:https://www.youtube.com/playlist?list=PLiHQAMnc0ZNpnZ9IyFntU-ygkgVHzaf03

Precisando de ajuda com a migração? Entre em contato conosco e solicite um orçamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *